São Paulo de Fato

Após dois anos, Japão volta a receber turistas brasileiros

Medida beneficia cidadãos de 98 países, mas há exigências

Imagem de capa
md/cn (Reuters, DPA, EFE)
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O Japão está se preparando para permitir a entrada de turistas no país pela primeira vez desde que a pandemia eclodiu, dois anos atrás. Mas somente estrangeiros que chegam em grupos turísticos organizados por agências registradas no Japão serão permitidos durante a primeira fase da reabertura, que vigora a partir desta sexta-feira, como anunciou nesta terça-feira (07/06) o Ministério do Turismo japonês.

Os estrangeiros em visita de turismo devem ser acompanhados por um guia em todos os momentos a partir da entrada no país, segundo as diretrizes publicadas pelo governo japonês. Os turistas também terão que fazer um teste de PCR para covid-19 antes de entrar no país e usar máscara durante todo o tempo da viagem.

Inicialmente, turistas de 98 países, incluindo o Brasil, podem viajar para o Japão.

As agências de viagens devem garantir que os turistas concordem em usar máscaras e tenham seguro que cubram quaisquer despesas médicas relacionadas à covid-19. Os visitantes também devem concordar em evitar espaços fechados e lugares lotados e manter o distanciamento social.

Registros de itinerários

As diretrizes de 16 páginas também exigem que as agências de viagens garantam que os guias turísticos mantenham registros precisos de seus itinerários e de contatos dos participantes. Quem não cumprir os requisitos corre o risco de ter sua excursão em grupo encerrada.

As orientações baseiam-se na experiência de visitas teste realizadas no mês passado com turistas dos EUA, Tailândia, Cingapura e Austrália, a maioria deles, agentes de viagens. Mas um dos participantes de um grupo de quatro da Tailândia testou positivo para a covid-19 e teve sua viagem cancelada.

James Jang, um agente de viagens da Austrália que participou de um dos tours de teste, disse que as regras provavelmente afastarão algumas pessoas por enquanto. “Os clientes concordarão em usar uma máscara dentro de locais fechados, mas usá-la 24 horas é um incômodo”, disse Jang à agência de notícias Reuters. “O custo de ter um guia turístico o tempo todo pode desencorajar os clientes até um momento em que eles tiverem mais flexibilidade.”

Eleição

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, está tentando evitar uma onda de turistas que viajam para o país, provocando um surto de covid-19 antes das eleições de julho para a câmara alta do Parlamento. As regras provavelmente serão flexibilizadas para permitir que turistas individuais entrem no Japão após essa data.

O turismo é um setor econômico importante para o Japão, que esperava 40 milhões de visitantes estrangeiros em 2020. No entanto, o país fechou suas fronteiras completamente para estrangeiros em abril de 2020. Em 2019, o Japão recebeu 31,9 milhões de visitantes so exterior.

No início deste mês, o Japão elevou o limite máximo de entradas para 20 mil por dia, após críticas à política de restrições determinada pelo governo.

Fonte

md/cn (Reuters, DPA, EFE)
  • COMPARTILHE

Após dois anos, Japão volta a receber turistas brasileiros

07/06/2022 19:55


O Japão está se preparando para permitir a entrada de turistas no país pela primeira vez desde que a pandemia eclodiu, dois anos atrás. Mas somente estrangeiros que chegam em grupos turísticos organizados por agências registradas no Japão serão permitidos durante a primeira fase da reabertura, que vigora a partir desta sexta-feira, como anunciou nesta terça-feira (07/06) o Ministério do Turismo japonês.

Os estrangeiros em visita de turismo devem ser acompanhados por um guia em todos os momentos a partir da entrada no país, segundo as diretrizes publicadas pelo governo japonês. Os turistas também terão que fazer um teste de PCR para covid-19 antes de entrar no país e usar máscara durante todo o tempo da viagem.

Inicialmente, turistas de 98 países, incluindo o Brasil, podem viajar para o Japão.

As agências de viagens devem garantir que os turistas concordem em usar máscaras e tenham seguro que cubram quaisquer despesas médicas relacionadas à covid-19. Os visitantes também devem concordar em evitar espaços fechados e lugares lotados e manter o distanciamento social.

Registros de itinerários

As diretrizes de 16 páginas também exigem que as agências de viagens garantam que os guias turísticos mantenham registros precisos de seus itinerários e de contatos dos participantes. Quem não cumprir os requisitos corre o risco de ter sua excursão em grupo encerrada.

As orientações baseiam-se na experiência de visitas teste realizadas no mês passado com turistas dos EUA, Tailândia, Cingapura e Austrália, a maioria deles, agentes de viagens. Mas um dos participantes de um grupo de quatro da Tailândia testou positivo para a covid-19 e teve sua viagem cancelada.

James Jang, um agente de viagens da Austrália que participou de um dos tours de teste, disse que as regras provavelmente afastarão algumas pessoas por enquanto. “Os clientes concordarão em usar uma máscara dentro de locais fechados, mas usá-la 24 horas é um incômodo”, disse Jang à agência de notícias Reuters. “O custo de ter um guia turístico o tempo todo pode desencorajar os clientes até um momento em que eles tiverem mais flexibilidade.”

Eleição

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, está tentando evitar uma onda de turistas que viajam para o país, provocando um surto de covid-19 antes das eleições de julho para a câmara alta do Parlamento. As regras provavelmente serão flexibilizadas para permitir que turistas individuais entrem no Japão após essa data.

O turismo é um setor econômico importante para o Japão, que esperava 40 milhões de visitantes estrangeiros em 2020. No entanto, o país fechou suas fronteiras completamente para estrangeiros em abril de 2020. Em 2019, o Japão recebeu 31,9 milhões de visitantes so exterior.

No início deste mês, o Japão elevou o limite máximo de entradas para 20 mil por dia, após críticas à política de restrições determinada pelo governo.

Fonte: md/cn (Reuters, DPA, EFE)