São Paulo de Fato

Projeto reúne artistas de diferentes países em concertos gratuitos espalhados por São Paulo

Ilumina - considerado um dos festivais mais disputados da América Latina

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Ilumina, fundado em 2015 como um pequeno festival de música em uma fazenda de café, chega a sua 8ª edição em 2023 como um dos eventos mais disputados da América Latina. Programado para acontecer entre os dias 03 a 15 de janeiro, o projeto promoverá uma programação intensa de concertos gratuitos em espaços como a Sala São Paulo, Teatro Clara Nunes e Teatro Municipal de Mococa. Também ganha destaque a performance realizada bem no meio de uma montanha, na Serra do Cigano. 

Composto por um coletivo de artistas, pensadores e pessoas motivadas por um modelo transformador de educação no país, que promova reformas sociais pela música, o Ilumina atua, durante todo o ano, diretamente com jovens artistas - bolsistas, advindos de contextos socioeconômicos mais difíceis. O objetivo? Formar lideranças e professores que ampliem e democratizem o acesso à música erudita no país. “Queremos, de fato, preparar novos líderes que possam propagar seus aprendizados e gerir outras e novas iniciativas inclusivas”.

Durante o festival, os participantes se reúnem com os melhores solistas, de diferentes lugares, em um formato de imersão, não apenas no contexto musical, mas também, e fundamentalmente, na convivência: ensaiando e vivendo juntos na sede da iniciativa, localizada na Fazenda Ambiental Fortaleza, interior de São Paulo. 

Ao colocar os participantes em contato com profissionais dos mais importantes conservatórios do mundo, a ação abre caminhos para a possibilidade de aperfeiçoamento fora do país. Nas últimas edições, foram facilitadas mais de 100 bolsas de estudo nas maiores universidades globais, totalizando um investimento de mais de R$ 3 milhões de reais, graças a intermediação com financiadores e fundações com suporte burocrático e preparação técnica destes jovens. Foram realizados dezenas de concertos em várias cidades do Brasil, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, além de, também, alcançar outros territórios como a Áustria, Reino Unido e Suíça. ”Queremos que todos os talentos tenham uma chance igual”, diz Jennifer Stumm, fundadora e diretora artística do Ilumina. “É urgente alterarmos o processo de como as pessoas obtêm oportunidades neste mundo e como e onde esperamos que a grandeza exista. Estamos tentando iluminar o que não se vê, mas já existe. É um projeto onde pensadores com corações corajosos e com experiências muito diferentes se ajudam. Nesse ponto de conexão, encontramos respostas e acredito que nosso público pode realmente sentir isso”. 

Violista norte-americana, formada em duas das principais instituições de música dos EUA (Curtis Institute e Juilliard School), Jennifer idealizou o projeto na expectativa de criar performances inovadoras e promover, na prática, essa movimentação em busca de mudanças. Em 2004, esteve no Brasil pela primeira vez quando trabalhou com jovens da Escola de Música do Estado de São Paulo: “Fiquei impressionada. O talento, a humanidade, a ânsia por crescer mesmo perante desafios socioeconômicos: eu não havia experimentado nada assim na minha vida. E ficou clara, mais uma vez para mim, uma crença antiga, a de que a música clássica deve ser dinâmica, viva, transformadora. Foi uma inspiração”, relembra. 

O repertório do Ilumina é extremamente diversificado: vai da música erudita, passando pela MPB, até o funk carioca. 

O programa desta edição foi inspirado na música “Le Caos”, do compositor barroco Jéan-Fery Rebel, e na peça de John Adams chamada “Fellow Traveller”. “Para suscitar a ideia de que nós, humanos, a partir do caos, podemos formar novas conexões. Uso o mito de Orfeu como mote, da perspectiva de muitos compositores - de Monteverdi até Tom Jobim e Black Orpheus, da compositora contemporânea Missy Mazzolli até a música folclórica dinamarquesa”, comenta Jennifer. 

Grandes nomes da música clássica internacional estão confirmados, como os violinistas Tai Murray, dos Estados Unidos, Emmanuele Baldini, da Itália, o violista dinamarquês Asbjorn Norgaard, os violoncelistas Matthias Bartolomey, da Áustria, Giovanni Gnocchi, também da Itália, o clarinetista britânico Matthew Hunt, o contrabaixista Pedro Gadelha e o pianista Cristian Budu, ambos brasileiros. 

O Ilumina Festival é uma iniciativa sem fins lucrativos e conta com doações, patrocínios e apoiadores.

 

SERVIÇO 

Concerto na Montanha 

Serra do Cigano, Caconde 

Dia 07/01, às 17h 

Concerto Fazenda Ambiental Fortaleza Dia 11/01, às 17h 

Distrito de Igaraí - Zona Rural, SN - Mococa 

Concerto Mococa 

Teatro Municipal de Mococa 

Dia 12/01, às 20h 

Rua Cel. Diogo, 82 - Mococa | SP 

Concerto Diadema 

Dia 13/01, às 20h 

Teatro Clara Nunes 

Rua Graciosa, 300 - Diadema 

Concerto Sala São Paulo 

Sala São Paulo 

Dia 14/01, às 20h, e 15/01, às 16h Praça Júlio Prestes, 16 - Luz, São Paulo | SP 

Ingressos: Grátis 

Retirada no local, 1h antes do concerto

  • COMPARTILHE

Projeto reúne artistas de diferentes países em concertos gratuitos espalhados por São Paulo

12/01/2023 20:47


Ilumina, fundado em 2015 como um pequeno festival de música em uma fazenda de café, chega a sua 8ª edição em 2023 como um dos eventos mais disputados da América Latina. Programado para acontecer entre os dias 03 a 15 de janeiro, o projeto promoverá uma programação intensa de concertos gratuitos em espaços como a Sala São Paulo, Teatro Clara Nunes e Teatro Municipal de Mococa. Também ganha destaque a performance realizada bem no meio de uma montanha, na Serra do Cigano. 

Composto por um coletivo de artistas, pensadores e pessoas motivadas por um modelo transformador de educação no país, que promova reformas sociais pela música, o Ilumina atua, durante todo o ano, diretamente com jovens artistas - bolsistas, advindos de contextos socioeconômicos mais difíceis. O objetivo? Formar lideranças e professores que ampliem e democratizem o acesso à música erudita no país. “Queremos, de fato, preparar novos líderes que possam propagar seus aprendizados e gerir outras e novas iniciativas inclusivas”.

Durante o festival, os participantes se reúnem com os melhores solistas, de diferentes lugares, em um formato de imersão, não apenas no contexto musical, mas também, e fundamentalmente, na convivência: ensaiando e vivendo juntos na sede da iniciativa, localizada na Fazenda Ambiental Fortaleza, interior de São Paulo. 

Ao colocar os participantes em contato com profissionais dos mais importantes conservatórios do mundo, a ação abre caminhos para a possibilidade de aperfeiçoamento fora do país. Nas últimas edições, foram facilitadas mais de 100 bolsas de estudo nas maiores universidades globais, totalizando um investimento de mais de R$ 3 milhões de reais, graças a intermediação com financiadores e fundações com suporte burocrático e preparação técnica destes jovens. Foram realizados dezenas de concertos em várias cidades do Brasil, incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, além de, também, alcançar outros territórios como a Áustria, Reino Unido e Suíça. ”Queremos que todos os talentos tenham uma chance igual”, diz Jennifer Stumm, fundadora e diretora artística do Ilumina. “É urgente alterarmos o processo de como as pessoas obtêm oportunidades neste mundo e como e onde esperamos que a grandeza exista. Estamos tentando iluminar o que não se vê, mas já existe. É um projeto onde pensadores com corações corajosos e com experiências muito diferentes se ajudam. Nesse ponto de conexão, encontramos respostas e acredito que nosso público pode realmente sentir isso”. 

Violista norte-americana, formada em duas das principais instituições de música dos EUA (Curtis Institute e Juilliard School), Jennifer idealizou o projeto na expectativa de criar performances inovadoras e promover, na prática, essa movimentação em busca de mudanças. Em 2004, esteve no Brasil pela primeira vez quando trabalhou com jovens da Escola de Música do Estado de São Paulo: “Fiquei impressionada. O talento, a humanidade, a ânsia por crescer mesmo perante desafios socioeconômicos: eu não havia experimentado nada assim na minha vida. E ficou clara, mais uma vez para mim, uma crença antiga, a de que a música clássica deve ser dinâmica, viva, transformadora. Foi uma inspiração”, relembra. 

O repertório do Ilumina é extremamente diversificado: vai da música erudita, passando pela MPB, até o funk carioca. 

O programa desta edição foi inspirado na música “Le Caos”, do compositor barroco Jéan-Fery Rebel, e na peça de John Adams chamada “Fellow Traveller”. “Para suscitar a ideia de que nós, humanos, a partir do caos, podemos formar novas conexões. Uso o mito de Orfeu como mote, da perspectiva de muitos compositores - de Monteverdi até Tom Jobim e Black Orpheus, da compositora contemporânea Missy Mazzolli até a música folclórica dinamarquesa”, comenta Jennifer. 

Grandes nomes da música clássica internacional estão confirmados, como os violinistas Tai Murray, dos Estados Unidos, Emmanuele Baldini, da Itália, o violista dinamarquês Asbjorn Norgaard, os violoncelistas Matthias Bartolomey, da Áustria, Giovanni Gnocchi, também da Itália, o clarinetista britânico Matthew Hunt, o contrabaixista Pedro Gadelha e o pianista Cristian Budu, ambos brasileiros. 

O Ilumina Festival é uma iniciativa sem fins lucrativos e conta com doações, patrocínios e apoiadores.

 

SERVIÇO 

Concerto na Montanha 

Serra do Cigano, Caconde 

Dia 07/01, às 17h 

Concerto Fazenda Ambiental Fortaleza Dia 11/01, às 17h 

Distrito de Igaraí - Zona Rural, SN - Mococa 

Concerto Mococa 

Teatro Municipal de Mococa 

Dia 12/01, às 20h 

Rua Cel. Diogo, 82 - Mococa | SP 

Concerto Diadema 

Dia 13/01, às 20h 

Teatro Clara Nunes 

Rua Graciosa, 300 - Diadema 

Concerto Sala São Paulo 

Sala São Paulo 

Dia 14/01, às 20h, e 15/01, às 16h Praça Júlio Prestes, 16 - Luz, São Paulo | SP 

Ingressos: Grátis 

Retirada no local, 1h antes do concerto