São Paulo de Fato

O risco de trabalhar com refugiadas norte-coreanas na China

Como as norte-coreanas não têm nenhum documento, são consideradas refugiadas ilegais na China

Divulgação

A colaboradora de campo da Portas Abertas, Rebecca*, trabalha com mulheres norte-coreanas refugiadas na China. Todas elas caíram em armadilhas do tráfico humano, que as vendeu para bordéis e homens chineses. A política de apenas um filho tem levado à falta de mulheres e, por isso, os homens mais pobres com frequência não encontram uma noiva. Para resolver a situação, eles compram uma. Frequentemente são mulheres norte-coreanas, que acabam sendo abusadas.

Os colaboradores de campo garantem a elas cuidado pastoral, estudo bíblico e um pouco de dinheiro para sobrevivência. Apesar de ser um ministério perigoso, Rebecca está muito alegre. Ao falar sobre o ministério, ela explica que, juntas, elas adoram a Deus e estudam a palavra. Além disso, Rebecca oferece o que as norte-coreanas precisam. Os encontros geralmente ocorrem duas vezes por mês.

Ao ouvirem a palavra de Deus pela primeira vez, as mulheres riem e respondem como se ela não fizesse o menor sentido. Mas quanto mais ouvem os versos e sermões, compreendem que a mensagem é séria. “É muito difícil ensiná-las a palavra porque, em suas mentes, há uma mistura de ideias que aprenderam na terra natal que vai contra os ensinamentos de Jesus. Por isso, a palavra não vai direto aos corações. Elas realmente querem crer, mas as mensagens da Bíblia são tão diferentes do que aprenderam que leva tempo para aceitarem a verdade.”

Rebecca sabe que leva tempo para mudar o pensamento. Por isso, ao invés de tentar persuadi-las, continua ensinando mensagens bíblicas. Um dia, elas compreendem que aquilo é a verdade e suas vidas mudam gradualmente.

Grandes desafios

Como as norte-coreanas não têm nenhum documento, são consideradas refugiadas ilegais na China. Sendo assim, apenas se encontrar com elas já é perigoso. Além disso, o trabalho da Portas Abertas não é visto como favorável ao governo chinês, então é preciso evitar todas as possibilidades de colocar o ministério em risco. Essa é a parte mais difícil.

“Eu vou até essas mulheres, falo a elas sobre Deus, adoramos juntas e estudamos a Bíblia. As vidas delas são realmente difíceis e pesadas. Elas deveriam ser bem recebidas, mas, ao invés disso, são tratadas apenas como uma forma de produzir bebês. Por não possuírem documentação, não podem viajar livremente pela China. Elas não podem fazer o que querem, estão presas nessa situação”, explica Rebecca.

Ela compartilhou sobre uma das mulheres que o marido era muito velho para trabalhar. Além disso, ela ainda precisava cuidar do filho, então trabalhava para sustentar a família. Em meio ao desespero, ela decidiu ir para a Coreia do Sul. Outra razão para isso é que ela precisava de dinheiro para trazer o outro filho dela da Coreia do Norte, o que custava muito. A mulher deixou o marido, mas foi pega pela polícia chinesa. Quando isso acontece, há sempre uma grande possibilidade de ser enviada de volta para a Coreia do Norte.

“Nós ficamos preocupados e oramos muito por ela. Felizmente, todas as irmãs do estudo bíblico que oraram por ela experimentaram alívio ao orar, isso me inclui. Nós sentimos paz nos corações. Essa foi a resposta para nossas orações”, afirma.

Após entrar em contato com a polícia, eles disseram que não precisávamos nos preocupar. Porém, a situação ainda se arrastou por meses. Eventualmente, Deus a libertou e permitiu que voltasse para a família.

*Nome alterado por segurança.

Seja parte da ajuda
Com base nessa situação, a Portas Abertas oferece comida, remédios e roupas para cristãos norte-coreanos que fogem para a China. Assim, a igreja local recebe provisão e experimenta o cuidado por parte do corpo de Cristo. Doe agora e forneça alimento, remédios e roupas para cristãos norte-coreanos refugiados na China.

Fonte

Redação/Hourpress
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

O risco de trabalhar com refugiadas norte-coreanas na China

Redação/Hourpress

A colaboradora de campo da Portas Abertas, Rebecca*, trabalha com mulheres norte-coreanas refugiadas na China. Todas elas caíram em armadilhas do tráfico humano, que as vendeu para bordéis e homens chineses. A política de apenas um filho tem levado à falta de mulheres e, por isso, os homens mais pobres com frequência não encontram uma noiva. Para resolver a situação, eles compram uma. Frequentemente são mulheres norte-coreanas, que acabam sendo abusadas.

Os colaboradores de campo garantem a elas cuidado pastoral, estudo bíblico e um pouco de dinheiro para sobrevivência. Apesar de ser um ministério perigoso, Rebecca está muito alegre. Ao falar sobre o ministério, ela explica que, juntas, elas adoram a Deus e estudam a palavra. Além disso, Rebecca oferece o que as norte-coreanas precisam. Os encontros geralmente ocorrem duas vezes por mês.

Ao ouvirem a palavra de Deus pela primeira vez, as mulheres riem e respondem como se ela não fizesse o menor sentido. Mas quanto mais ouvem os versos e sermões, compreendem que a mensagem é séria. “É muito difícil ensiná-las a palavra porque, em suas mentes, há uma mistura de ideias que aprenderam na terra natal que vai contra os ensinamentos de Jesus. Por isso, a palavra não vai direto aos corações. Elas realmente querem crer, mas as mensagens da Bíblia são tão diferentes do que aprenderam que leva tempo para aceitarem a verdade.”

Rebecca sabe que leva tempo para mudar o pensamento. Por isso, ao invés de tentar persuadi-las, continua ensinando mensagens bíblicas. Um dia, elas compreendem que aquilo é a verdade e suas vidas mudam gradualmente.

Grandes desafios

Como as norte-coreanas não têm nenhum documento, são consideradas refugiadas ilegais na China. Sendo assim, apenas se encontrar com elas já é perigoso. Além disso, o trabalho da Portas Abertas não é visto como favorável ao governo chinês, então é preciso evitar todas as possibilidades de colocar o ministério em risco. Essa é a parte mais difícil.

“Eu vou até essas mulheres, falo a elas sobre Deus, adoramos juntas e estudamos a Bíblia. As vidas delas são realmente difíceis e pesadas. Elas deveriam ser bem recebidas, mas, ao invés disso, são tratadas apenas como uma forma de produzir bebês. Por não possuírem documentação, não podem viajar livremente pela China. Elas não podem fazer o que querem, estão presas nessa situação”, explica Rebecca.

Ela compartilhou sobre uma das mulheres que o marido era muito velho para trabalhar. Além disso, ela ainda precisava cuidar do filho, então trabalhava para sustentar a família. Em meio ao desespero, ela decidiu ir para a Coreia do Sul. Outra razão para isso é que ela precisava de dinheiro para trazer o outro filho dela da Coreia do Norte, o que custava muito. A mulher deixou o marido, mas foi pega pela polícia chinesa. Quando isso acontece, há sempre uma grande possibilidade de ser enviada de volta para a Coreia do Norte.

“Nós ficamos preocupados e oramos muito por ela. Felizmente, todas as irmãs do estudo bíblico que oraram por ela experimentaram alívio ao orar, isso me inclui. Nós sentimos paz nos corações. Essa foi a resposta para nossas orações”, afirma.

Após entrar em contato com a polícia, eles disseram que não precisávamos nos preocupar. Porém, a situação ainda se arrastou por meses. Eventualmente, Deus a libertou e permitiu que voltasse para a família.

*Nome alterado por segurança.

Seja parte da ajuda
Com base nessa situação, a Portas Abertas oferece comida, remédios e roupas para cristãos norte-coreanos que fogem para a China. Assim, a igreja local recebe provisão e experimenta o cuidado por parte do corpo de Cristo. Doe agora e forneça alimento, remédios e roupas para cristãos norte-coreanos refugiados na China.