São Paulo de Fato

Guilherme de Pádua foi a culto antes de morrer, afirma pastor Márcio Valadão

Pádua era pastor na Igreja Batista Lagoinha, em MG. Ele foi condenado pelo assassinato de Daniella Perez; ficou preso 6 anos e 9 meses

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O pastor Márcio Valadão, líder da Igreja Batista Lagoinha, em Minas Gerais, afirmou que, antes de morrer, Guilherme de Pádua, assassino da atriz Daniella Perez, foi ao culto na manhã desse domingo (6/11). O ex-ator sentou-se ao lado da esposa, Juliana Lacerda, na primeira fileira.

 

 

Ele faleceu no mesmo dia, à noite, após um infarto fulminante. O enterro ocorrerá nesta segunda-feira (7/11), no cemitério Parque da Colina, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

“Agora, agora, agora, pouquinho antes das 22h, há poucos minutinhos, recebi o telefonema de uma irmã, falando de um dos nossos pastores que acabou de falecer. […] Hoje, às 10h da manhã, eu estava dirigindo o culto e ele estava ali no primeiro banco, ele e a esposa”, disse o pastor no trecho.

Nota de pesar
A Igreja Batista Lagoinha ainda divulgou nota lamentando a morte de Guilherme de Pádua, que também era pastor na comunidade. Ele liderava um grupo que cuidava de pessoas presas em Minas Gerais. O próprio líder ficou encarcerado 6 anos e 9 meses pelo assassinato de Daniella.

Em nota, a igreja confirmou a morte e pontuou que, apesar de ter sido consagrado pastor, ele sempre viveu longe “dos grandes púlpitos”. Pádua completou 53 anos em 2 de novembro. Veja a íntegra do comunicado:

“É com imenso pesar a morte do pastor Guilherme de Pádua após sofrer um infarto na residência em que morava em Belo Horizonte. Com 53 anos recém-completados no último dia 2 de novembro, Guilherme compunha o time pastoral da Lagoinha desde sua ordenação, em 2017, liderando o ministério Recomeço, que atua dentro e fora dos presídios da capital mineira e região metropolitana.

Antes disso, já havia sido acolhido como ovelha e servia como voluntário nas mais diversas áreas, sempre lidando com os desprezados e marginalizados. Milhares de pessoas privadas de liberdade foram, ao longo desses anos, cuidadas, ministradas no conhecimento da Bíblia e receberam apoio social, jurídico e psicológico do ministério, que também desenvolve dezenas de projetos de profissionalização e reintegração social.

Ele não era visto pregando para multidões, mas atuava diariamente nas mais diversas obras com aqueles que a sociedade, muitas vezes, prefere jogar para escanteio. Guilherme testemunhou a possível transformação que há em Jesus. O recomeço reservado para todos aqueles que nEle creem.

A Igreja Batista da Lagoinha, desde o momento da conversão de Guilherme, abriu suas portas para ser, também, a sua casa. Guilherme pagou à Justiça o que ela lhe impôs, como cremos que deve acontecer, e nós, como Corpo de Cristo, nos posicionamos para sermos para ele e tantos outros já condenados por crimes diversos, aquilo que a Bíblia nos instrui: o lugar da nova chance que apenas Jesus pode dar ao que se arrepende.

Guilherme demonstrou ser alguém empenhado em mudar e em viver de acordo com a nova vida que experimentamos em Cristo Jesus. Ele jamais deixou de ser lembrado pelo crime que cometeu, mas pôde, em seus últimos anos, caminhar de acordo com a vontade do Pai sobre a sua história: ‘Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!’ (2 Coríntios‬ ‭5‬:‭17‬).”

Assassinato
Pádua assassinou a atriz Daniella Perez, em 1992, com a sua esposa na época, Paula Thomaz. Ele e Daniella faziam um par romântico na novela De Corpo e Alma, escrita por Glória Perez, mãe de Daniella. Pelo crime, Pádua foi condenado a cumprir 20 anos de prisão por homicídio qualificado. Ficou seis anos e nove meses na cadeia.

O assassinato voltou aos holofotes neste ano, quando a HBO Max lançou um documentário sobre o caso. Na época, Pádua fez um vídeo se defendendo dos ataques:

“Minha reação natural é de me defender, qualquer um tem direito de resposta no mundo natural, mas eu não vivo mais no mundo natural. Todos os dias quando eu acordo eu me lembro que sou o Guilherme de Pádua, que tenho essa carga nas minhas costas, e toda manhã é uma luta”, disse, em vídeo publicado na ocasião.

Na publicação do ex-ator em seu canal do YouTube, ele mandou um recado para Glória Perez e Raul Gazolla, viúvo de Daniella.

“Sempre disse que o meu maior sonho era poder pedir perdão”, explicou. De acordo com Pádua, muitas pessoas duvidavam que ele realmente tenha se arrependido de ter cometido o crime que chocou o país. Por causa disso, ele decidiu gravar o vídeo para a autora de novelas. (Metrópoles)

 

https://www.instagram.com/reel/CkqVs_Sr7My/?utm_source=ig_embed&ig_rid=78df21a1-0515-4ac6-a133-6bdd0a8a7f86

  • COMPARTILHE

Guilherme de Pádua foi a culto antes de morrer, afirma pastor Márcio Valadão

07/11/2022 14:49


O pastor Márcio Valadão, líder da Igreja Batista Lagoinha, em Minas Gerais, afirmou que, antes de morrer, Guilherme de Pádua, assassino da atriz Daniella Perez, foi ao culto na manhã desse domingo (6/11). O ex-ator sentou-se ao lado da esposa, Juliana Lacerda, na primeira fileira.

 

 

Ele faleceu no mesmo dia, à noite, após um infarto fulminante. O enterro ocorrerá nesta segunda-feira (7/11), no cemitério Parque da Colina, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

“Agora, agora, agora, pouquinho antes das 22h, há poucos minutinhos, recebi o telefonema de uma irmã, falando de um dos nossos pastores que acabou de falecer. […] Hoje, às 10h da manhã, eu estava dirigindo o culto e ele estava ali no primeiro banco, ele e a esposa”, disse o pastor no trecho.

Nota de pesar
A Igreja Batista Lagoinha ainda divulgou nota lamentando a morte de Guilherme de Pádua, que também era pastor na comunidade. Ele liderava um grupo que cuidava de pessoas presas em Minas Gerais. O próprio líder ficou encarcerado 6 anos e 9 meses pelo assassinato de Daniella.

Em nota, a igreja confirmou a morte e pontuou que, apesar de ter sido consagrado pastor, ele sempre viveu longe “dos grandes púlpitos”. Pádua completou 53 anos em 2 de novembro. Veja a íntegra do comunicado:

“É com imenso pesar a morte do pastor Guilherme de Pádua após sofrer um infarto na residência em que morava em Belo Horizonte. Com 53 anos recém-completados no último dia 2 de novembro, Guilherme compunha o time pastoral da Lagoinha desde sua ordenação, em 2017, liderando o ministério Recomeço, que atua dentro e fora dos presídios da capital mineira e região metropolitana.

Antes disso, já havia sido acolhido como ovelha e servia como voluntário nas mais diversas áreas, sempre lidando com os desprezados e marginalizados. Milhares de pessoas privadas de liberdade foram, ao longo desses anos, cuidadas, ministradas no conhecimento da Bíblia e receberam apoio social, jurídico e psicológico do ministério, que também desenvolve dezenas de projetos de profissionalização e reintegração social.

Ele não era visto pregando para multidões, mas atuava diariamente nas mais diversas obras com aqueles que a sociedade, muitas vezes, prefere jogar para escanteio. Guilherme testemunhou a possível transformação que há em Jesus. O recomeço reservado para todos aqueles que nEle creem.

A Igreja Batista da Lagoinha, desde o momento da conversão de Guilherme, abriu suas portas para ser, também, a sua casa. Guilherme pagou à Justiça o que ela lhe impôs, como cremos que deve acontecer, e nós, como Corpo de Cristo, nos posicionamos para sermos para ele e tantos outros já condenados por crimes diversos, aquilo que a Bíblia nos instrui: o lugar da nova chance que apenas Jesus pode dar ao que se arrepende.

Guilherme demonstrou ser alguém empenhado em mudar e em viver de acordo com a nova vida que experimentamos em Cristo Jesus. Ele jamais deixou de ser lembrado pelo crime que cometeu, mas pôde, em seus últimos anos, caminhar de acordo com a vontade do Pai sobre a sua história: ‘Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!’ (2 Coríntios‬ ‭5‬:‭17‬).”

Assassinato
Pádua assassinou a atriz Daniella Perez, em 1992, com a sua esposa na época, Paula Thomaz. Ele e Daniella faziam um par romântico na novela De Corpo e Alma, escrita por Glória Perez, mãe de Daniella. Pelo crime, Pádua foi condenado a cumprir 20 anos de prisão por homicídio qualificado. Ficou seis anos e nove meses na cadeia.

O assassinato voltou aos holofotes neste ano, quando a HBO Max lançou um documentário sobre o caso. Na época, Pádua fez um vídeo se defendendo dos ataques:

“Minha reação natural é de me defender, qualquer um tem direito de resposta no mundo natural, mas eu não vivo mais no mundo natural. Todos os dias quando eu acordo eu me lembro que sou o Guilherme de Pádua, que tenho essa carga nas minhas costas, e toda manhã é uma luta”, disse, em vídeo publicado na ocasião.

Na publicação do ex-ator em seu canal do YouTube, ele mandou um recado para Glória Perez e Raul Gazolla, viúvo de Daniella.

“Sempre disse que o meu maior sonho era poder pedir perdão”, explicou. De acordo com Pádua, muitas pessoas duvidavam que ele realmente tenha se arrependido de ter cometido o crime que chocou o país. Por causa disso, ele decidiu gravar o vídeo para a autora de novelas. (Metrópoles)

 

https://www.instagram.com/reel/CkqVs_Sr7My/?utm_source=ig_embed&ig_rid=78df21a1-0515-4ac6-a133-6bdd0a8a7f86